segunda-feira, 11 de junho de 2012




O intermediário entre o efêmero e o eterno
fluido sedimento cósmico
O que da terra escorre e
o que da terra é
forma e feito
transição
travessia
água e



5 comentários:

  1. Gostei demais desses pés enlameados. Lembrou-me de Câmara Cascudo: "Barro também é caranguejo". "Água e pó", lampejo...
    Abraço.
    Gilson.

    ResponderExcluir
  2. Perfeito.
    Lindo.

    Tudo.

    Poema, imagem.

    Tudo.

    .

    Abs., bons caminhos!

    ResponderExcluir
  3. O efémero é tudo, o eterno uma incógnita...
    (Gostei muito de passar por aqui)

    Bjs

    ResponderExcluir
  4. A poesia é o fio da meada , tudo vê ...

    Beijo !

    ResponderExcluir
  5. Obrigada Gilson, estes são os pés da minha irmã Fernanda Amaro. Ela também tem um blog, caso tenha curiosidade e interesse em conhecer, segue o link: http://melodiascineticas.blogspot.com.br/. bjos
    Muito obrigada pelo elogio Raul Motta. Abraços.
    Seja sempre bem vindo AC. bjos
    Sim Moisés e cada vez me convenço mais disso. Salve a poesia nas nossas vidas!!! bjo

    ResponderExcluir