sábado, 4 de junho de 2011


Pensei que sonhava com folhas caindo,
com os lagos escuros de bosques sem fim,
com o eco de tristes palavras;
Mas não lhes conseguia entender o sentido.

Pensei que sonhava com estrelas caindo,
com súplicas de olhos cinzentos num grito,
com o eco de umas risadas;
Mas não lhes conseguia entender o sentido.

Como a queda de folhas e estrelas caindo,
Pensei que me via, para sempre indo e vindo
com o eco sem fim que sonhava;
Mas não conseguia entender-lhe o sentido.


Georg Trakl 
Austria-(1887-1914)

Um comentário:

  1. Nossa esse poema é de uma sensibilidade existencial.
    Consegui sentir e ver o nada que sou e tudo que me leva apenas a ser uma idéia, uma areia de pensamento. Obrigada por deixar rastros orgânicos no Fábula.

    ResponderExcluir