quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Quando digo que o corpo não mente, é porque os impulsos orgânicos não podem ser negados, eles não podem simplesmente ser calados, não passam desapercebidos.
Dormi dois dias e duas noites completas, pequenos intervalos de lucidez me acometeram respostas aos sonhos alucinantes.
Qual é a recuperação do instante? O que te leva a escrever? Quais fragmentos foram fixados por flechas nas árvores que não mais existem? O que ficou preso no tempo feito istmo/lapso irreparável? O que de você transpassa? Transborda? E efemeramente se importa comigo?

Nenhum comentário:

Postar um comentário