terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Nossas vozes comunicam velocidades
trago a brevidade da promessa
dos corações em urgências primárias
da sede e da precipitação

quando em êxtase das horas incertas
a entrega à imediatez da razão
na efêmera interação das vontades
no que já se perdeu ou se encontra

no espaço intermediário

do aqui e do não

Nenhum comentário:

Postar um comentário