sexta-feira, 9 de agosto de 2013


Meu autêntico e romanesco despertar

me transporta por entre nuvens de incenso e brisa do mar

por estradas oníricas que levam ao querer

 
somos cúmplices jardineiros da aurora etérea

regamos nossas sementes com fluidas correntes da nascente intuitiva que forma o poço das ilusões - das urgências fictícias
 
do que o cosmos reitera

somos seres ainda pulsantes na atmosfera

pairando num plasma de dimensões encontradas

 

                                            o mito do mundo

                                           num minuto pra mim

 

                                                                                    sou a irreconhecível interposição

                                                                                     entre feixes de luzes

                                                                                      e córregos que escorrem

                                                                                           seivas ontológicas

maravilhas do inconsciente arcaico

sussurram sistemas de significação

 

                                                          arquétipos de sombras cintilantes

                                                           em arcos de passagem

 

nos espelhos do rio

a fronteira do fluir

 

                                                                    mistificação do incongruente

 

quando a luz ganhar contornos mais precisos

se lembrará instantaneamente da essência

recuperada

                                              cascatas de água cristalina

                                                      brotando de fendas luminosas

 

Talvez pudéssemos fazer tal como naquela noite em que voando baixo numa paralela dos sonhos, num horizonte longínquo como farejadores do perfume das flores- sobrevoamos numa panorâmica nostálgica de reconstituição visual um oco vale de ressonância ancestral entressachado por linhas cortantes, tal como navalhas hesitantes- antes do alcance do imensurável

o amor incitou minhas inquietações e suspendeu minha respiração até limites insuportáveis de vertigem

 
Quando os pássaros me transportarem em seu eterno revoar

quantas batidas de asas e do coração serão suficientes para encontrar

um senda na escuridão?

 

 quem merece e compreenderia o cultivo das flores invisíveis?

são sutis e simbólicas suas florescências

são lentos seus condões

 

a coragem consiste em deixar escoar-se

até que a chuva interna caia e o corpo na água se dissolva

no mesmo elemento fundamental, único e universal

sedimento do barro no fundo da alma

terreno fértil

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário