sexta-feira, 2 de agosto de 2013


me alimentei de francas luminescências

que arderam por dentro feito chamas multicores

etéreas evidencias me encobriram de vestígios remotos

soporosas veemências me inebriaram o espírito

desfaleci pálida feito pétala desvitalizada

contorcionismos da alma me arrebataram

 

corto rizomas nocivos

como quem ceifa de um campo minado

o fel dos covardes

 

da passionalidade se faz um peixe

da emoção a patologia



 

Nenhum comentário:

Postar um comentário