domingo, 27 de maio de 2012



Serei a oscilação entre as sendas abertas para a transversal da hora
sonhando sentada e singrando à sorte de ingratos humores igualmente oscilantes

Serei a temperatura da face da lua, levemente fria, iluminada e quente na outra extremidade carnal

Lua nova,lua que cresce, lua que quando cheia já é quase míngua
Lua que míngua, lua que cresce, lua que quando cheia já é quase nova

nociva, pêndulo e empuxo
entre a completa entrega e a entrega hesitante
sou o espaço de tempo estancado
a sereia do poço encantado
cirurgicamente eterno
circunstancialmente ao acaso
imemorial e faiscante
num dos centros energéticos
da Terra.

Nenhum comentário:

Postar um comentário