quinta-feira, 26 de abril de 2012




"Tudo que o coração deseja pode sempre reduzir-se à figura da água". 
Paul Claudel in BACHELARD, Gaston- "A água e os sonhos"

                                                                             

domingo, 22 de abril de 2012



Em remotas paragens de tempo-espaço
 o relógio girava harmonicamente
ainda que não cadenciasse as horas
 e ainda que não necessariamente
girasse
numa órbita reconhecível
todo entendimento era natural,
numa seqüencialidade progressivamente previsível
e cabia ao homem classificar numa regularidade assuntível
2+2= 4 segmentado e legítimo
no entanto,
tudo é relativo
como parâmetros falidos
e toda abstração possível está no cerne
de quem? 
do indivíduo, que lembra e decifra
porque é meramente parte
como o espelho quebrado que é também inteiro
sal e água, sumo e seiva
poeira cósmica imantada
vibra e brilha numa ininterrupta intensidade
de rotação e translação em torno de um centro de calor
imprevisto e regido pelo acaso conectado.


Postagem realizada primeiramente no blog Manufatura (http://manufatura.blogspot.com.br/) em 18/04/12

segunda-feira, 16 de abril de 2012


Eu sou aquele que não se vê e sutilmente se toca
um repuxo, uma fincada, um cafuné, um toque estranho
uma bruma branca, uma sombra negra, um vento, um sopro, um lampejo
uma idéia veemente, um pulsar espontâneo, um alento, um lamento
um sonho revisto, um plano deposto, um presságio ilustrado
no incandescer de anjos, no esquentar das palmas das mãos
quando glóbulos borbulham gaseificados de energia elétrica ativa
rasa rara e branda de infinito, numa paralela
voando baixo
No instante que percebo e penso distâncias certeiras
movimentando-se como ponteiros de um relógio imaginário
acabo quebrando o teu galho.
                                               
                                                                                      ojo