sábado, 31 de março de 2012



Hoje já não sei de nada
e mesmo do que já soube, me esqueci
o que sinto ou intuo fui eu que escolhi?
O que me falta e de onde eu vim?
Para onde vou e o que é efêmero?
Enquanto não sei protelo
Subestimo-me
Subalterna e subjugada aprendiz
Enquanto tudo fica a beira do abismo
e basta respirar para viver
o que se busca e o que se impõe
a centelha de iluminação
e as sutilezas da revelação
corrente que verte mudança
resignação contente
não faria nada que me acusasse mal a consciência
já não consigo viver bem com meus pensamentos
se tivesse culpa e distorção seria ainda mais insuportável
Confundiram-me e me perdi
De nada tenho certeza
Só que
“nada sei.”

5 comentários:

  1. Sabendo de nada
    é que a vida
    percorre solta
    pela estrada.

    Fico a seguir.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. Como já dizia Sócrates "Só sei que nada sei" ;)
    Seja bem vinda Sahara, abraços.

    ResponderExcluir
  3. Saudações quem aqui posta e quem aqui visita.
    É uma mensagem “ctrl V + ctrl C”, mas a causa é nobre.
    Trata-se da divulgação de um serviço de prestação editorial independente e distribuição de e-books de poesia & afins. Para saber mais, visitem o sítio do projeto.

    CASTANHA MECÂNICA - http://castanhamecanica.wordpress.com/

    Que toda poesia seja livre!
    Fred Caju

    ResponderExcluir
  4. Perguntas que nos levam a conhecer nosso infinito mundo interior.Retribuindo a visita e já te seguindo.Parabéns pelo belo espaço.Beijos

    ResponderExcluir