sábado, 25 de fevereiro de 2012



A terra vermelha
Inflama
como fenda forte
e fantasia
pulsa
íngreme e inclina
rola cascalho e derriba
abrupta, repentina

ora fissura, ora vale
lombada, calombo
catarse

3 comentários:

  1. Gosto da cadência, da musicalidade.
    Os altos e baixos de um respirar poesia.

    Um beijo

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Lídia, estamos juntas no ato de respirar poesia. Obrigada Davi, seja bem vindo. Não tinha necessariamente pensado em erosão não, e sim em uma viagem onírica pelas montanhas de Minas. Abraços.

    ResponderExcluir