sábado, 25 de fevereiro de 2012

JARDINS- Rilke


Não é a justiça quem segura a balança precisa,
és tu, ó Deus de vontade indivisa,
que pesas nossos erros,
e de dois corações que martiriza e tritura
faz um coração de maior envergadura
que tem ainda o desejo

de crescer...Tu, que indiferente e soberbo
humilhas a boca e exaltas o verbo
para um céu néscio...
Tu que mutilas os seres ao juntá-los
À última ausência de que são pedaços.

Rilke, JARDINS, p. 59


---------//-----------


Façamos o múltiplo encontro
o que cabe em cada caso,
a fim de que a ordem se mostre
entre os motivos do acaso.

Tudo em volta quer que se o escute-,
escutemos até o fim;
pois o pomar e a estrada
somos sempre nós enfim!

Rilke, p. 63


--------//-------------



É a paisagem demorando, é um sino,
É do crepúsculo a parturição tão pura-;
Mas tudo isso em nós prepara o destino
De uma nova, uma cândida figura...

Assim vivemos nós um embaraço estranho
entre o arco e a flecha:
entre o mundo muito vago para alcançar o anjo
e Aquela que, de tanta presença, nô-lo fecha.

Rilke, p.153





Nenhum comentário:

Postar um comentário