segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Comunicação expandida


Suspendo o arfar
                                  descompasso
                                                                no segundo imponderável

Meus pensamentos selvagens te exortando à febre
de excitados humores,
 repelem
ainda que por osmose espontânea
batida discreta de retirada

Hormonios de estanho
angústia espremida no timo
com sumo de seiva invertida

solução de expansão


extrapolando a percepção
percorrendo seu dorso até culminar num arrepio instintivo 
abordando seus tímpanos como num sopro lascivo
canto da sereia
seu sussurro de queda livre,
e vaporidades cintilantes


Você supondo insanidade tapou os ouvidos para a arenga de dentro
percebendo distintos e contraídos músculos se manifestarem autônomos
numa espécie de trêmula inquietação
sua boca balbuciando déficits de atenção
sua mente deslocando feixes de intenção
que pacientemente se ancoram em pretensas evidencias
iluminadas por recíproca animosidade

3 comentários:

  1. Perfeitamente descrito como sempre!

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Lindo seu blog e seu poema é maravilhoso.Que Deus te ilumine sempre.
    Grande abraço
    Se cuida

    ResponderExcluir
  3. Muito obrigada pelas palavras meus caros, saibam que são sempre bem vindos. Abraço forte para vocês...que a poesia nos conecte sempre.

    ResponderExcluir