quinta-feira, 8 de setembro de 2011

maldita


Tinha o traquejo das mulheres mal faladas,
das negras abusadas,
das índias corrompidas,
das meretrizes de beira de estrada,
das púberes perdidas

Carregava a lembrança das avós moribundas,
das mães ressentidas
das netas larapias,
das filhas ingratas,
das sogras malditas,
das cunhadas safadas,
das madrastas incautas


* Poema em processo de construção.

3 comentários:

  1. Segui passos e encontrei este blog.
    “Conhecer alguém aqui e ali…”
    Gostei.
    Volto.

    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Flavia minas tem um lirismo no qual você não foge, percebi neste poema uma voz lirica linda, lembrou-me o Vinicius de Moraes
    abraços

    ResponderExcluir
  3. Obrigada queridos, suas presenças aqui me motivam. Abraços.

    ResponderExcluir