terça-feira, 30 de agosto de 2011

Cartas do poeta sobre a vida- Rainer Maria Rilke


Já há algum tempo tenho tomado por esse livro um apreço de contentamento, envolto em ares de motivação-inspiração num sentido oracular, talvez inclusive o situe  entre os favoritos deste ano. Por isso o ensejo de compartilhar algumas das citações de Rilke extraídas de cartas endereçadas geralmente à seus leitores.
Seguem algumas:

" É imprescindível uma única tarefa, urgente: unir-se em algum lugar à natureza, ao forte, ao ávido, ao iluminado, com prontidão incondicional e, num espírito inocente, trabalhar avante, seja no mais banal, no mais cotidiano. Cada vez que considerarmos algo com garra, com alegria, cada vez que olhamos para distâncias ainda mais inauguradas, transformamos não só esse momento e o seguinte, mas também o passado em nós, o tecemos em nossa existência, dissolvemos o corpo estranho da dor, cuja composição exata não conhecemos. Assim como não sabemos quanta pulsão de vida esse corpo estranho, uma vez dissolvido, transmite a nosso sangue." (p.61)

" É necessário viver a vida ao limite, não segundo os dias, mas segundo a profundidade. Não é preciso fazer o que vem depois, se alguém sente que tem mais participação no que vem ainda depois, no longuínquo, na mais remota distância. Pode-se sonhar enquanto outros salvam, se esses sonhos são mais reais para alguém do que a realidade e mais necessário que o pão. Numa palavra: é preciso tornar a mais extrema possibilidade que alguém traz em si o critério de sua vida, pois nossa vida é grande e acomoda tanto futuro quanto somos capazes de carregar." (p.67)

"No fundo, não creio que importa ser feliz no sentido em que as pessoas esperam ser felizes. Mas consigo entender plenamente essa felicidade árdua que consiste em despertamos forças com um trabalho resoluto, as quais começam a trabalhar, elas mesmas em nós". (p.76)

Nenhum comentário:

Postar um comentário